/ LiftBank

Quando não estamos com o espírito elevado.

Hoje, dia 10 de setembro é o dia mundial de prevenção ao suicídio. Nós do LiftBank queremos tocar nesse assunto em relação ao nosso foco: o empreendedor.

Os maiores propulsores do suicídio estão na depressão e na ideação suicida, mas os estudos mostram que a sensação de aprisionamento causado por inúmeras situações e contextos, também pode levar a esse fim. Quando um empreendedor demonstra esse tipo de comportamento - sentimento de aprisionamento - é hora de desenvolver atitudes em busca de solucionar e elaborar a questão, por meio do auxílio de um profissional de saúde mental e paralelamente reestruturar as possíveis causas vindas do contexto do empreendimento, que estejam alimentando esse sentimento de aprisionamento.

Essa sutil mudança de entendimento sobre as causas do suicídio pode salvar vidas, se colegas, amigos, familiares, psiquiatras, terapeutas e empreendedores tocarem no assunto sem preconceitos.  Em 2015, o percentual de novos empreendedores por necessidade era de 43% (GEM, 2016). Isso já demonstra o quanto a situação econômica negativa - na maioria dos casos - força uma mudança de padrão de vida e necessidades, trazendo consigo questões emocionais que precisarão ser elaboradas.

Empreendedores e saúde mental

De acordo com um estudo feito nos Estados Unidos pela Gallup Wellbeing Index, 45% dos empresários relatam estar estressados ​​em comparação com 42% dos "outros trabalhadores". Os empresários também relatam ter maior probabilidade de ter "se preocupado muito" - 34% vs. 30%.

A princípio, esses desvios podem parecer pequenos. No entanto, um estudo mais recente - cuja primeira pesquisa foi aprovada pelo Conselho de Revisão Institucional da UC Berkeley encontrou:

“As diferenças no desequilíbrio da saúde mental afetaram direta ou indiretamente 72% dos empresários dessa amostra, incluindo aqueles já possuíam histórico pessoal de problemas (49%) e histórico familiar, entre os empreendedores assintomáticos (23%)."

De acordo com um estudo de Michael Freeman, os empreendedores têm 50% mais chances de relatar um desequilíbrio em sua saúde mental, com algumas condições específicas sendo incrivelmente prevalentes entre os fundadores.

Os fundadores são propensos a:

2 vezes mais chances de sofrer de depressão;
6 vezes mais chances de sofrer de TDAH;
3 vezes mais probabilidade de desenvolver abuso de substâncias;
10 vezes mais chances de sofrer de distúrbio bipolar;
2 vezes mais chances de ter hospitalização psiquiátrica;
2 vezes mais chances de ter pensamentos suicidas.

Os suicídios de Kate Spade (fundadora da grife com seu próprio nome)  e Anthony Bourdain (chef, apresentador e empresário), deram rostos empresariais a estatísticas mais amplas, principalmente o aumento de 30% no suicídio desde 1999 nos Estados Unidos.

Tragicamente, mesmo entre os super-bem-sucedidos, Spade e Bourdain estão longe de estar sozinhos. Em 2011, Ilya Zhitomirskiy, CEO da Diáspora, tirou a vida. Em 2013, Aaron Schwartz, do Reddit, Jody Sherman, fundador da Ecomom, e Ovik Banerjee, colega de Sherman. Em 2015, Austen Heinz, CEO da Cambrian Genomics, e Faigy Mayer, CEO da Appton, também sucumbiram.

Essa amostragem de dados e nomes não pretende ser mórbida. Tampouco se destina a substanciar clinicamente um vínculo causal entre empreendedorismo, sucesso e doença mental. Em vez disso, é defender que o empreendedor é um ser humano, constituído de emoções, e que elas precisam estar equilibradas.

O peso do empreendedorismo

Empreender muitas vezes não vem somente com o peso de se sustentar, mas também de proporcionar o sustento dos colaboradores e suas famílias. Junto com esse peso, temos outros como dívidas, taxas, burocracias mil, que fazem com que muitas vezes o foco de produzir valor para sociedade seja sucumbido por essas questões.

Vivemos em nosso país, uma glamurização do empreendedorismo e pouco se fala que 1 a 4 empresas fecham antes de completar 2 anos (Sebrae, 2018). Esse glamour gera uma expectativa que para alcançar o sucesso no empreendimento, basta apenas querer e trabalhar duro, o que pode levar ao esgotamento e frustração dos empreendedores.

Trabalhar e se dedicar é essencial para buscar o sucesso, mas é importante lembrar que todo empreendedor é uma pessoa, não uma máquina. Não é normal sentir stress, cansaço ou esgotamento o tempo todo. É essencial que o empreendedor cuide e equilibre sua saúde física e mental, para conseguir alcançar e usufruir os resultados de todo o empenho realizado.

O LiftBank é um banco feito de empreendedores para empreendedores. Entendemos suas dores, angústias e lutamos - muito - pelo seu sucesso. Entendemos que essa é a forma de mudarmos a sociedade. Por isso, focamos em simplificar um dos pontos mais complexos para os empreendedores: a gestão de suas finanças.

Quando não estamos com o espírito elevado.
Compartilhe